Livros


Um novo horizonte - RJ : CBJE - 2012

A alma do poeta
Ninguém entende
O coração do poeta
Os poetas compreendem a beleza
O infinito
A vida
E o amor com sua alma
Só quem tem dor
E mágoa
Pode entender os poetas
Só quem tem dor
E sofre muito
Pode ser poeta
A razão de existir deles é a poesia
Que o consola da dor
E da angústia de viver.


Uma voz
Ouço uma voz distante
Sua voz há muito perdida
Que vêm da sua infância
E juventude
Nesta casa grande e silenciosa
Ouço esta voz na sala e quartos vazios
Meu olhar triste vaga pelo quintal
Vê a sua imagem com seu jeito de ser
Os seus olhos brilhantes
O seu sorriso
Cai um orvalho no quintal
Ouço sua voz há muito perdida
Sinto você fortemente no meu coração
São apenas lembranças de você
E uma imensa saudade.


A rua de casa
Todos dormem em suas casas
A noite está azul-escura
Os postes de luz iluminam a rua
A luz repousa nos jardins tranquilos
Os grilos cantam na calçada
O guarda apita na rua
E faz a sua ronda por toda ela
Não vê ladrões e nada de estranho nela
Há vento e brisa na noite escura
Os eucaliptais estão em frente da minha casa
Não há nada na ruazinha
Ouço apenas os meus passos na noite
Entro sozinha na minha casa
Ouvindo o cachorro latir
Todos dormem em suas casas!