Sobre a poesia
Carmen Lúcia Hussein

Foram desenvolvidas algumas considerações sobre a poesia que poderá trazer algum esclarecimento aos poetas. A autora não pretendeu esgotar o tema e, sim, tecer aqui reflexões sobre o mesmo, que pretende ser amplo e não restrito a alguns poetas.

O poeta Carlos Drummond de Andrade faz reflexões sobre a poesia, quando afirma “acreditar com o mesmo fervor na beleza da palavra e no texto elaborado com arte”. Assim, ele considera “que aprendeu a gostar da literatura através do entusiasmo que ela nos provoca ao nos depararmos com o texto bem escrito.” Este autor parece enfatizar a estética e a beleza na criação poética. Do mesmo modo, além da autora, Gioconda Labecca, Luís Carlos Martins e Mário Scherer destacam este aspecto salientado por Drummond de Andrade.

Também, Scherer fez considerações em 1998, que aqui serão apresentadas quanto a este mesmo aspecto. Ele afirma “que há quem busque respostas para a vida quando os poetas estão em busca da beleza escondida.” Continua que “essa beleza - a poesia - sempre etérea, fugidia, delicada como a chuva que forma o arco-íris, mostra-se apenas para aqueles que verdadeiramente a amam”.

Deve-se acrescentar que o poeta Ferreira Gullar afirma que “A poesia é um difícil ofício de expressar a vida, naquilo que ela tem de belo e dramático”. Ainda, o escritor Cipro Neto diz que “os poetas são seres enviados por Deus para traduzirem a alma humana”. Portanto, parece que o primeiro autor enfatiza a inspiração dos poetas, que se dá através da experiência e vivência da pessoa quanto aos seus dramas, às questões culturais e ao meio. Já o segundo acha relevante para a criação expressar aspectos religiosos e psicológicos. Desta forma, Carmen Lúcia Hussein realça em suas poesias quase os mesmos aspectos apontados nas reflexões destes autores.

Uma obra que muito influenciou este poeta quando jovem, várias vezes relidas, foi “Cartas a um jovem poeta”, de Rainer Maria Rilke. Segundo ele, “uma obra de arte é boa quando nasceu por necessidade”. O poeta aconselha “a entrar em si e examinar as profundidades de onde jorra a sua vida, que o criador deve ser um mundo para si mesmo, encontrar tudo em si e, nessa natureza a que se aliou.” Ainda, a autora deste texto coloca como essencial o aspecto psicológico, que pode levar ao autoconhecimento e a uma vida interior mais rica, que Rilke considera importante na criação poética. Assim, ele expressa na sua obra poética emoções, desejos, necessidades e valores pessoais. Desta forma, a autora o faz na elaboração dos seus poemas.

Um aspecto enfatizado por Drummond de Andrade é que “a poesia, como outras artes, é um grande bálsamo na vida e leva o ser humano a superar a fragilidade da situação que o limita”. Neste sentido, a escritora Maria Aparecida Ribeiro Almeida “entende a poesia como um processo alquímico, no qual elementos pesados como o chumbo, quando submetidos a misteriosos procedimentos, transformam-se em ouro puro”. Da mesma forma, “poetas podem conseguir transcender suas dores e dificuldades, criando palavras pepitas que, buriladas pelas vicissitudes, transformam-se em joias preciosas”.

As poesias da autora deste texto são baseadas nas suas experiências de vida e realidade que a circundam. Ela expressa o que vê, sente e pensa. Assim, Scherer e Labecca afirmam que “os seus poemas têm uma forma lírica, singela, simples e melódica.” Também, Martins coloca que “os seus versos podem, sem qualquer restrição, serem classificados como “verdadeira poesia”. E, ainda, Dulce Helena Batista dos Santos diz que “ela trata de temas nobres e profundos da vida”. A poesia é para a autora do texto “uma forma de expressar as emoções e sentimentos, o encanto e a delicadeza das palavras, buscando o sentido absoluto da vida”.

O escritor, poeta e editor Mário Scherer, da Real Academia de Letras , considera “que Car men Lúcia Hussein é uma artífice da palavra!” Continua dizendo que “mais do que isso: uma poetisa ao qual se soma uma profunda conhecedora da alma humana, já que em seus poemas multifacetados encontramos toda uma gama de emoções que compõe o nosso quotidiano, como o amor, a dor, o encanto do encontro, a dor da subtração e da perda, lembranças, saudades, enfim, da vida com suas cores e suas dores”. 

Segundo o escritor acima, o que irá “entusiasmar os leitores desse livro é a admirável construção destes poemas , colocados com lirismo e delicada arquitetura com pedra angular de um pensamento profundo e de verdades fundamentais, que cercam e perfazem o nosso dia a dia”. 

Também conclui que“ raramente nos deparamos com escritores e poetas como Carmen, que detêm um domínio tão familiar com o valor das palavras, colocando beleza nas incertezas humanas e nos oferecendo a oportunidade de contemplação reflexiva ante os abismos do nosso espaço de vida; a poesia de Carmen ganha, assim, mais uma faceta, além do belo, do romantismo, da denúncia: torna-se um momento de busca, e, levados pelas águas cristalinas das rimas, dos versos bem construídos, cria em nós, leitores o aprofundamento de nosso pensamento ante tantas questões relevantes, onde, com encanto, aprendemos um pouco mais desta bela peripécia que é o viver”.

Já a poeta Gioconda Labecca afirma que Carmen Hussein “perscruta a alma humana para desvendar os segredos e mistérios do ser humano na vida”. Coloca que a poetisa “trata das coisas simples e fala do amor e solidariedade humana”. Diz ainda que “sua poesia crítico - social é uma denúncia das questões sociais do mundo contemporâneo”. Conclui afirmando que“ a sua poesia é simples, melódica e sincera”.
 
Também a poeta Maria Theodoro Sampaio diz que “com sua agradável obra, aprende-se que com muito talento e poucas palavras muito se podem dizer, sonhar e em versos transmitir”.

Segundo a poeta e filósofa Dulce Batista Santos, o estilo de Carmen “é claro e conciso. Sua poesia é delicada e trata das questões existenciais”. Ela afirma que a “sua filosofia subjacente é o Humanismo e o Existencialismo ateu e cristão.” Essa filosofia tem como centro a preocupação com o homem e não com uma verdade que o excluiria das indagações. É uma relação entre a Metafísica, que é o saber que questiona o que é a existência e o humanismo”. 

Pode-se dizer, portanto, que é comum as pessoas, no mundo atual, caírem no ativismo, correrem muito e terem uma vida superficial e vazia. Portanto, considera-se que a poesia nos faz lembrar que temos espiritualidade, religiosidade, alma e sentimentos. E que podemos obter valores mais dignos da vida, como o amor e a solidariedade, a beleza, o bem, a justiça, a verdade e a liberdade. Assim, a poeta Carmen Lúcia Hussein nos leva a refletir, a contemplar, a meditar, a dar um maior significado ao existir. E ela também nos traz vários ângulos da existência, mostrando a importância do sentido dela.

Você pode ver os poemas no site -www.carmenluciahussein.com.br
Seus livros encontram-se à venda na www.livrariacultura.com.br.
E estão reeditados em e-book na www.amazon.com.

Bibliografia
  • Carmen Lúcia Hussein- Sua obra poética publicada pela Shan Editores e CBJE, de 2006 a 2013.
  • Cipro Neto- crônica publicada na Folha de São Paulo em 2010.
  • Drummond Andrade, Carlos-“Antologia Poética”,1997.
  • Ferreira Gullar-“Toda poesia “.José Olympio Editora.: 2010.
  • Gioconda Labecca,” Sonetos”, São Paulo: Edição do autor, 2003.
  • Rilke,R.M- “Cartas de um Jovem poeta”,2011.
  • Rilke, R. M.-“ A melodia das coisas: contos, ensaios, cartas”. São Paulo: Estação Liberdade.
  • Scherer, Mario- Prefácio da “ Antologia Brasileira Poética”..Shan Editores: 1998.
  •